terça-feira, 30 de dezembro de 2014

OBSTÁCULO

"Se hoje as coisas não deram certo; não se preocupe, o sol irá se pôr e amanhã voltará a brilhar"
Autor: Jostly

domingo, 21 de dezembro de 2014

PAIXÂO

"Paixão é o alicerce do amor, é por causa dela que nos entregamos e amamos alguém"
Autor: Jostly

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

LEUCÊMICO


Sou leucêmico, não tenho vergonha de falar
Vivo à vida intensamente, cheia de emoções
Meu coração vive constantes palpitações
Vulnerável, amargurado, fico a me perguntar.

 Por que a vida me reservou esse sofrimento?
Essa vida de angústias sufocantes?
As incertezas me rodam sem precedentes
As expectativas, um pavoroso tormento.

 Pensamentos revoltosos tomam conta de mim
Por que não posso ser feliz como antigamente?
Queria viver feliz, cheio de sorrisos contentes
Sem mágoas, sem temor, como flores no jardim.

 As pessoas me olham, sentem dó de mim
Tento me agarrar a um fio de esperança
A vida é bela quero vivê-la sem temperança
Odeio o que elas pensam e que me olhem assim.

Sem consegui disfarçar o desespero, choro
Anseio pela minha vitória, rogo e clamo.
Só quero realizar meus singelos sonhos
Sem ter que viver com esse medo contínuo.

Vejo pessoas reclamarem de suas vidas
Sem terem de fato, motivos para reclamar
Isso me chateia, não quero acreditar
Que pessoas normais tenham a felicidade inibida.

 No leito as horas passam lentamente
O medo torna-se mais presente
No quarto vazio, bate a saudade no peito
Tento o domínio da mente, deitado no leito.

 Os dias passam e assim vou indo
Ansioso por meu quadro de melhora
Quero viver, não quero morrer agora!
Quero que o mundo me diga, seja bem-vindo!
Autor: Jostly

domingo, 7 de dezembro de 2014

SOFRER


"Jamais sofra por quem só te faz sofrer; só devemos sofrer por  quem nos ama e não por quem só nos engana"
Autor: Jostly

domingo, 16 de novembro de 2014

SEDE DE VOCÊ


Estou vivendo um dilema
Dum amor que me consome
A saudade sem dó bate n'alma
Assim, vou vivendo esta síndrome.

Meu desejo de ver-te, não quer cessar
A nostálgica saudade a me surrar
Em lágrimas meus olhos não afogariam
Se hoje eu pudesse te encontrar.

Correria em sua direção para abraçar-te
Meus agitados ânimos se acalmariam
Meu coração mais forte palpitaria
Se hoje eu pudesse beijar-te.

Meus olhos de tão felizes brilhariam
Nossos corpos num abraço se fundiriam
Nossos lábios sorridentes se tocariam
Se hoje eu pudesse ter você.

Minha tortura, finalmente iria findar
Minha alma em felicidade enalteceria
Minha libido como chamas arderia
Se hoje eu pudesse te amar.

Autor: Jostly

sábado, 1 de novembro de 2014

DOIS MUNDOS


Nesse mundo há dois mundos
Um dos ricos o outro dos pobres
Enquanto uns residem em castelos nobres
Outros padecem em apelo profundo.

Como pode um mundo ter dois mundos?
Um sem liberdade, desprovido de riquezas
E outro esbanjar luxúria e desdenhar a pobreza
Fingir não vê infortunados países oriundos.

 A situação socioeconômica é desanimadora
As guerras dizimaram a população quase por inteira
A fome corrói o estômago, não é brincadeira
Cenário de guerra desolador, assim é Serra Leoa.

Sem o que comer e sem ter água potável para beber
Vivem sofridos, famintos e esquecidos
Ninguém enxerga esse deserto sofrido
Surto de cólera, fome e sede este é Niger.

Colonizadores franceses exploraram com muita gana
Escravizaram a população sem piedade
Paris elegante, luxuosa e belíssima cidade
                                           Só dor restou para República Centro-Africana.                                                            
Tenho o negro no nome e não tenho regalia
 Severas penas e governada por rebeldes
Sou constituída por habitantes rudes
Agonia e mortes violentas, assim é Somália.

Formado por ilhas, faço fronteira com Senegal
Expectativa de vida é uma das menores do mundo
Grito por clemência, mas fingem-se de surdos
Abrigo povos sofríveis, sou Guiné-Bissau.

País dos ex-escravos, tenho desnutrição em demasia
Meu nome significa “país dos libertos”
Sou tão pobre que meu futuro é incerto
Peço ajuda, mas me ignoram, sou Libéria.

Apelidaram-me de terra dos povos rudes
Tenho conflitos entre os “tutsis e hutus”
Necessito de ajuda externa da ONU
Analfabetismo e pobreza em demasia sou Burundi.

Meu corpo é coberto pelo deserto do Saara
Analfabetismo e subnutrição me castigam
Por benevolência meus habitantes suplicam
Muita seca e fome prevalecem em Chade.

 Não sou banhado pelo mar nem por sua maré
Tenho a pior média de expectativa de vida
Muitos dos meus habitantes portam o vírus HIV
Meu nome significa casa de pedra, sou Zimbábue.

Peço ajuda humanitária e que todos orem por mim
Imploro por comida para matar minha insaciável fome
Imploro por água para matar minha insatisfazível sede
Encontro-me em situação deplorável, sou Haiti.

                    Autor: Jostly

domingo, 12 de outubro de 2014

SER POETA




Ser poeta é pensar além do impensável
 Imaginar além do inimaginável
Crer no inacreditável
 Sentir coisas inexplicáveis.

Ser poeta é ouvir o vento,
Silenciar-se em mar de sentimentos
Mergulhar na imensidão do pensamento
Imergir em lágrimas e emergir em risos.

Escrever constantes findas
Mesmo que ninguém leia,
Continua a escrever, não desanima.

É falar com a voz do sentimento
Sorri, mesmo com a alma partida
Viver vivendo a vida...
Autor: Jostly

domingo, 21 de setembro de 2014

ABSTINÊNCIA SEXUAL

Prestes a sair do trabalho, após torturantes longas doze horas sem sexo, ele pega o telefone e liga para a esposa: 
- Alô, amor estou saindo do trabalho agora, já já estarei aí com você, minha delícia! 
- Tá bom amor, estarei aqui te esperando, beijo. Responde a esposa do outro lado da linha. Ele todo contente sai do escritório pega o carro, põe aquela música que adora ouvir, passa numa floricultura compra um lindo buquê de rosas vermelhas e acelera para chegar logo em casa, tomado por pensamentos obscenos, sua imaginação fica cada vez mais aguçada e não imagina outra coisa a não ser nas posições sexuais que irá fazer com a esposa assim que chegar em casa. Ele entra em casa quase babando nas flores e a encontra deitada no sofá, então diz: 
- Olha o que eu trouxe para você, amor! Ela apenas levanta o olhar em direção a ele e diz
- Nossa amor são lindas, obrigada!

O sorriso começa a desfalecer do seu rosto, pois percebe que todo aquele esforço que fizera fora em vão ao ouvir a esposa dizer:
 - Amor, sei que você tá querendo sexo hoje, mas, estou com obstrução nasal, estou quase morrendo por asfixia, se eu fizer sexo hoje posso morrer sufocada!
Para um homem obstinado por sexo, uma tragédia do tamanho do furação Katrina acabara de acontecer. Ele pensa: “Não, não, isto não está acontecendo! ” No dia seguinte, ele ainda mais louco por sexo, liga novamente para a esposa antes de sair do escritório.
 - Amor, estou a caminho tá, beijos. Agora já são vinte e quatro horas sem sexo, isso para um homem nesse estado avançado e transbordando testosterona, é um sacrilégio tão grande que chega a ser comparado ao martírio dos padres em termo de abstinência pelos prazeres da carne durante suas vidas.

Desce as escadas correndo, pega o carro, hoje sequer lembrou-se de ligar o som, na saída do estacionamento quase atropela um pedestre que ao olhar para ele esbraveja: 
- Tá doido, seu maluco! Ele não dá a mínima, pisa no acelerador igual um piloto de fórmula um, passa em semáforos proibidos, anda com o dobro da velocidade do dia anterior, nem compra nada que é para não demorar muito a chegar, o tempo de chegada foi reduzido pela metade em comparação ao dia anterior. Abre a porta e a mulher não está no sofá, esfrega a mão uma na outra e pensa: “Ebá, é hoje que eu tiro a barriga da miséria, ela deve estar com aquele lingerie vermelho que eu adoro, me esperando”. Toma um banho e sobe para o quarto naquela maior expectativa, e a encontra se contorcendo debaixo do cobertor. Então pensa: “Nossa como ela está com tesão, tá até se contorcendo” e ri maliciosamente. 

Pula na cama com tanta vontade que seu corpo ao cair sobre a cama cria uma força de impulsão tão forte que quase a arremessa no chão. Ela então se levanta olha para ele e esbraveja em alto e bom tom: 
- Cavalo! Isso aqui não é nenhum hipódromo não, eu aqui morrendo de dor de cabeça e você chega desse jeito, nem pergunta como estou já vem pelado para cima de mim, só pensa em sexo, sexo. Até parece que você casou comigo só por causa disso. Casamento não é só sexo, sexo não é tudo, muito menos tão importante assim num relacionamento, que coisa! Todo murcho e sem graça ele a olha e diz:
- Obrigado amor por mim mostrar que sexo não é tão importante, pensando bem, realmente acho que não é tão importante assim. Então ela se vira para ele e diz
- Lógico que não, sexo não é tão importante assim num relacionamento, quanto tempo demorou para entender isso hein! Espero que não me atormente mais por causa disso!

Uma semana se passou e quando ela pegava as roupas do marido para jogar na máquina de lavar, ficou estarrecida ao vê uma mancha avermelhada de batom na gola de uma de suas camisas, a essa altura ela já não o chama mais de amor, já certa da desunião, gritou: 
- Venha aqui seu traste! Você pode me explicar isto? Ele a olha e então diz com a paciência de um monge:
 - Isto, não é nada amor, é apenas uma mancha de batom. Não fiz nada de tão importante, foi apenas sexo. Como senhora? O que isso tem a ver com a história? É que não dá para entender como algo tão insignificante  no casamento para as mulheres pode causar um divórcio!
Autor: Jostly



sábado, 6 de setembro de 2014

LUZES ONÍRICAS


Vi fortes luzes azuladas cruzarem os céus
Vi objetos luminosos cruzarem os mares
Luzes circulares que me deixaram incréu
Na Terra vi repousar, e depois voarem.

 Imóvel, atônito, fiquei a contemplar
As luzes sutis que pairavam sobre o mar
Não sentia medo, meu desejo era de tocar
Antes que subissem aos céus para viajar.

Uma silhueta de fóton a me vigiar
Sons indecifráveis, ouvi da criatura
Como se alguma coisa quisesse  me falar.

 Banhado pelas luzes fiquei a olhar
Eu esgrilava a figura de mediana estatura
Quando dum sonho, vim me desvencilhar.
Autor: Jostly

sábado, 16 de agosto de 2014

FRAGMENTOS DUM AMOR


Hoje ao amanhecer, abri a janela do meu quarto
Olhei o céu cheio de nuvens brancas entrelace
Lágrimas de sofrimento escorreram pela minha face
Cobrindo meus olhos como se fosse um manto.

 Lembrei-me de ti ao sentir a brisa do horizonte
Dentro de mim, tocava a melodia triste da dor
As nuvens me assistiam com sua calma e seu alvor,
Testemunhas das lágrimas que nos meus olhos fizeram nascente.

 Coração impulsionado pela influência que me invade
Fragmentos desse amor que ainda restam em mim
Ainda me pego a pensar no amor que dantes vivi
Fruto dum sentimento que se manifestou em mim.

A saudade aperfeiçoa a carência que sinto de ti
Quiseram os céus o ensejo desse puro sentimento
Agasalhou-se em meu coração, sufocando sem alento
Hoje fere por dentro, o amor que outrora me fez sorrir.

 Autor; Jostly

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

O DESVENTURADO



 Foi por volta das três horas duma quente tarde de sábado, que Gino, um modesto rapaz atormentado pelo incômodo fantasma da solidão, sentou-se num pequeno banco da tranquila praça Vicecco Arlechio. Sentado ali sozinho silenciosamente, ele podia refletir sobre sua penosa vida de sucessivos insucessos e até mesmo chorar sua mágoa sem que ninguém o visse. Lastimou-se refletindo profundamente ao vê as pessoas passarem felizes e sorridentes, sentiu inveja por não ser feliz também. 

Pensava ele: “Quanta gente feliz, olha os casais em calorosos abraços beijando-se e sussurrando ao pé do ouvido um do outro fazem juras de amor,estão flutuantes de felicidade e distante de serem infelizes como eu”. Nele persistia um vazio desesperador, isso fazia com que o sorriso fosse escasso dos seus lábios, eram pouquíssimas vezes que alguém o encontrava com um simples riso estampado em seu rosto marcado pelos traços da tristeza. Nem se recordava mais de quando fora a última vez que havia esboçado um sorriso e agora vendo aqueles risos todos cheios de alegria que o cercavam, quis ri também. 


Certamente não era um prazeroso sorriso daqueles que brotam da alma, mas riu um riso sufocado pela angústia precedido de desolação, porque é essa a realidade que o persegue e antecede seus dias e noites. Aos poucos aprendeu a lidar com sua triste vida, essa impertinência tornava-se cada vez mais num mundo obscuro em seu dia a dia, ele que nada mais era que um simples rapaz comum. O infortúnio era tão imperecível que chegou a descartar a possibilidade de poder ser feliz um dia, isso lhe fervia a mente de tal forma que seus olhos lacrimejaram e sentiu a garganta seca de tanta angústia, lembrou-se então de sua infância, de como vivera feliz diariamente, risos de plena felicidade e agora ele mal conseguia esboçar um leve sorriso, só rira de verdade mesmo quando fora criança, por um momento desejou ser criança novamente nem que fosse apenas por um dia, reviver um só dia de sua infância valeria talvez por toda a sua adolescência, precisava de algo para fazer desvanecer de si todos esses pensamentos sombrios que já estavam debilitando seus sentidos, portanto, buscava algo que pudesse revigorá-los, reanimá-los. 


 Por fim, desviou o olhar bruscamente buscando o que nem ele mesmo sabia o quê, só queria algo que pudesse distraí-lo. Deparou-se com uma moça vindo em sua direção, conforme ela se aproximava, via-se nitidamente as curvas do seu belo corpo feminino, usava um traje um tanto ousado, short jeans azul bem curto e uma blusinha decotada branca dessas que permitem ver a linha dos seios, deixando a barriga e o umbigo totalmente expostos. Trazia consigo um peludo cãozinho preto acorrentado que ao passar por Gino abanou insistentemente a calda, cheirando-lhe os pés com tanto entusiasmo que parecia que ambos eram velhos amigos e que não se viam faz tempo e ao rever apressa-se para dar-lhe boas vindas. Com eles não era o caso, porque ambos jamais se viram antes e muito menos eram amigos. 


Aquele era um amigável cãozinho carinhoso que se apegou tão rapidamente como num passo de mágica e por mais que a moça o puxasse pela coleira para seguir viagem, o animalzinho parecia lutar contra sua dona para dirigir-se a Gino, este porém, permanecia estático admirando a beleza da jovem mulher sem dá muita à atenção ao pequeno animal que insistia em querer aproximar-se do rapaz. Ao vê-la ali tão perto de si, Gino disfarçou as lágrimas o mais que pôde e recuperou a voz que lhe havia faltado e olhando-a fixamente, fitou-a buscando encontrar os olhos, enfim os encontrou. Eles brilhavam intensamente, semelhante ao brilho de duas estrelas no céu, seus cabelos longos eram negros como a noite, ele notou que um fio de lágrimas escorria pelos cantos dos seus olhos molhando os traços do seu belo rosto feminino, ele então percebeu que por trás daquela beleza inconfundível ocultava-se bem lá no fundo um coração deprimido e amargurado, mas que era notável. 


 Cumprimentou-a com um “oi!” ela o correspondeu com um riso tímido desconsolado, sentiu vontade de perguntar para ela o porquê das lágrimas, mas achou melhor não. Permaneceram ali por um período, ele sentado e ela de pé segurando o cachorrinho pela corrente, conversando timidamente sem se encararem. Ele a convidou para que se sentasse junto de si no banco de madeira da pequena praça. Não se conteve de alegria ao vê-la ali sentada ao seu lado, era a primeira vez que aquilo acontecia com ele. Pensou consigo mesmo: “Formamos um belo casal”. Seu nome era Tâmara. Aos poucos foram se soltando e agora já estavam conversando sobre suas vidas pessoais, o que faziam coisas desse tipo. Coincidência ou não, mas o fato era que sofriam dos mesmos males, sofriam a falta de um grande amor em suas vidas.

 Gino e Tâmara não viram o decorrer das horas, ficaram ali conversando por um bom tempo, estavam tão empolgados com o encontro inesperado, que eles se esqueceram de tudo, estranhamente estavam felizes, nem se lembravam de quando fora a última vez que entraram nesse estado mágico de espirito, para ambos era muito bom pra ser verdade, pois, momentos como aquele eram muito raros. Após a duradoura conversa e as descobertas que tinham muitas coisas em comum, ficaram silenciosos olhando um para o outro fixamente nos olhos, imóveis, seus batimentos cardíacos quase foram ao limite de tão acelerados, ele a tocou pela primeira vez na mão, sentiu a maciez e o calor de sua pele, com a respiração ofegante e delirando em suspiros, felizes como dois anjos que acabaram de ganhar suas asas para sobrevoarem os céus, enlaçaram as mãos. 

Fez-se um longo silêncio, era o silêncio da paixão que pairava sobre eles suavizando-lhes a alma. Seus lábios agora trêmulos de desejo ansiavam o momento do beijo, um ímpeto incontrolável de se tocarem foi aumentando e aquele anseio antes do beijo os deixavam ainda com mais desejo, por fim, tocaram seus lábios bem levemente, depois com mais vigor. Neste momento, o cãozinho choramingou como quem aplaudindo a cena com o mesmo entusiasmo de uma plateia agitada ao ver seu ídolo apresentar-se no palco. Sem hesitar subiu no banco e deitou-se entre eles, estava maravilhado! Contemplava-os calmamente. O que Gino não imaginava era que aquela pequena criatura peluda fosse contribuir para trazer-lhe a felicidade que tanto sonhava. A vida às vezes nos prega cada peça e nesse teatro da vida é preciso só estar na hora certa e no momento certo para ser o protagonista principal desse filme que é a vida. Desde então eles foram felizes. A vida é assim, quando menos se espera ela nos torna ator principal de um filme de sucesso. E nesse longa-metragem nos traz a razão para vivê-la sem contestá-la.


Autor: jostly

quinta-feira, 17 de julho de 2014

SEGREDOS


"Os teus segredos malévolos de hoje, 
poderão ser a razão da tua ruína amanhã"
Autor: Jostly

     

domingo, 6 de julho de 2014

À NOITE


Quando cai o anoitecer, eclipsando o horizonte
As estrelas timidamente aos poucos vão surgindo
Como crianças jubilosas dos céus brincando.
Surge a lua com seu fulgor por trás dos montes.

Ó magnífica noite que desperta meus sentimentos,
Jamais me desvencilhe desses momentos afáveis
Onde me pego a sonhar, sonhos adoráveis
E me desperto louco, pelos meus irreais encantos.

 Noite, que fortalece os laços afetivos dos casais
Que aguça a inspiração e a sensibilidade do poeta
Noite de prazeres, de momentos que marcam época
Apaixonante, enamorada noite de atrações fatais.

 Noite, que embeleza os sonhos, os amores, as cidades
Que adormece os sentidos, dá asas à imaginação.
Provoca saudade que aperta meu frágil coração
Noite dos desejos incontidos, e das obscuridades.

Noite das paixões ardentes dos amantes
Das tristezas torturantes dos solitários.
Dos entretenimentos e das libidos arbitrárias
Ah! Inesquecíveis noites de aventuras emocionantes.

 Autor: Jostly

quarta-feira, 25 de junho de 2014

REFLEXÃO SUPREMA


Criador, o que o senhor acha dos homens dizerem que são racionais?
Resposta:
"O homem chama os animais de seres irracionais.
E sendo irracionais, convivem em harmonia.
Os homens dizem que são racionais
No entanto, convivem em demagogia".

Deus, o que o senhor acha do racismo entre os homens?
Resposta:
"Fiz os animais multicores
porque sabia que seriam indiferentes.
Fiz o homem semelhante e bicolor
para tentar conter as diferenças.
Fiz a noite negra e o dia claro
para ensiná-los a convivência.
Ignoraram minha providência
e entre si convivem feito bárbaros".

 O que o senhor pensa sobre a sabedoria do homem?
Resposta:
"Sábios são os animais, além de não destruirem
seu próprio habitar, não pensam,
e revela ao homem segredos incógnitos.
O homem não habita, sufoca o planeta.
Diz-se sábio e onisciente
mas, não enxerga o iminente.
Enxerga apenas a cor da própria pele".

Deus, o que acha dos cuidados do homem com a terra?
Resposta:
"O homem acha que é dono da terra
do hemisfério sul ao norte.
Assina sua própria sentença de morte.
Polui águas, arranca as árvores e faz guerras.
O homem jamais mudará sua atitude
De agredir o planeta e poluí-lo.
Nem deixará de ser racista. Visará apenas
O benefício próprio e o capitalismo".

 Qual mensagem o senhor deixa para os homens?
Resposta:
"Que eles amem uns aos outros sem olhar
a cor da pele, que vejam o que causaram.  
Que o racismo entre eles só gerará ódio,
dor e rancor, excitando a guerra.
E acima de tudo avisá-los que a natureza já se virou
contra eles, e ela será implacável e ininterrupta.
Dizimando-os pouco a pouco. Pois, o homem
nunca deu ouvido a minha palavra".
Autor: Jostly

segunda-feira, 16 de junho de 2014

HUMANIDADE


Tudo que a humanidade cria, cedo ou 
tarde se voltará contra ela!
Autor: Jostly

sexta-feira, 6 de junho de 2014

AMAR-TE-EI


O meu amor irei amar, de corpo e alma me entregar
Amar com força e fulgor, em minha vida eternizar
Do meu amor irei cuidar, com todo carinho e ternura,
enquanto em meus pulmões houver ar.

 Sentir-me leve em seus braços como se quisesse voar,
esse amor que é tão puro, anseio por durar
Tão puro quanto ouro no fogo a lapidar
o meu amor irei amar e além da morte levar...

Por: Nathalia Matos


Resposta:
Amar-te-ei meu amor, enquanto o céu for azul
Enquanto houver ondas e água no mar
Enquanto o dia houver sol e a noite o luar
Amar-te-ei meu amor, enquanto meu coração pulsar.

Enquanto a luz do sol brilhar e o vento soprar,
e quando o vento passar, irei gritar meu grito
Amar-te-ei meu amor!
Para que ele possa levá-lo aos ouvidos do infinito...

Por: Jostly

terça-feira, 27 de maio de 2014

MUNDO

Todos querem um mundo melhor, mas ninguém procura melhorar o próprio ser. O mundo é maravilhoso, são os humanos quem o torna imundo.
Autor: Jostly

sábado, 17 de maio de 2014

TRAIÇÃO CONJUGAL


Quando quebrar a promessa que fizestes no altar
Quando a euforia do gozo carnal passar
Nos olhos, não mais conseguirá olhar
Arrepender-se-á quando no tálamo deitar.

 A consciência te dirá que cometeu um ato insano
 Como espada cortante, a culpa dilacerar o coração.
As palavras ferirão, como ponta afiada dum arpão
Toda a sanha do cônjuge cairá sobre teus ombros.

Sua ação irá te acossar, jamais apagará da memória.
O ressentimento derreterá os olhos em lágrimas,
O rancor explodirá, como a erupção dum vulcão.

O arrependimento corroerá a alma
 Verás que do tormento serás vítima
A angústia arderá por dentro sem compaixão.
 Autor: Jostly

domingo, 4 de maio de 2014

SER MÃE




Mãe, tu és a luz que ilumina a vida
Mãe, tu és a pureza do amor divino
Tu que entre uterinos és dividida
que exerce a virtude da alma feminina.

Ser mãe é abdicar da beleza do seu corpo
Ser capaz de sacrificar-se para dar conforto
É fazer do seu próprio sangue alimento
ser mãe é ter constante zelo sem desalento.

Ser mãe é derramar amor em lágrimas
É amar mesmo às vezes sendo desprezada
por quem tanto sofreu para pôr no mundo
É receber a dádiva do amor mais profundo.

Ser mãe é ter coragem de sentir dor
é fragilizar-se quando o dom materno está por vir
É ouvir um choro angelical e nele se inebriar
e fortalecer-se ao dar à luz e irradiar-se de amor.
Autor: Jostly

quinta-feira, 1 de maio de 2014

GANÂNCIA


"A maior doença do mundo, não é o câncer ou a AIDS, a ganância é a maior doença da humanidade"
   Autor: Jostly

domingo, 27 de abril de 2014

O TEMPO

"O tempo cura feridas, nos faz revelações, mas ele nunca 
apaga o passado inteiramente, sempre deixa vestígios"
Autor: jostly

domingo, 20 de abril de 2014

PERVERSIDADE





Humano que se diz inteligente e perspicaz
um ser indefenso, de amá-lo é incapaz
Pratica maus-tratos aos inofensivos animais
indivíduo de má índole, maléfico e falaz.

Agride os animais com brutal violência
arma emboscada para ataques maldosos
Por que o ser humano tem essa tendência
contra seres tão dóceis, afáveis e bondosos?

Animais suportam  tantas malvadezas
são vítimas das atrocidades humanas
Não falam, são indefesos a tamanha frieza
São mortos, atropelados, vivem nesse drama.

 Nas ruas, o pobre cão não mais festeja
 A presença do seu dono mal-agradecido
Com frio, debilitado de fome rasteja
Sarnento, olhar piedoso e desesperado.

Quer um pouco de comida, roga por caridade
Sente-se traído, um cão abandonado
Por quem serviu tantos anos com esmera lealdade
do portão vê sua casinha que já fora seu abrigo.
Autor: Jostly

sábado, 12 de abril de 2014

SONHANDO

Vivo de sonhos e de pensamentos, um sonho novo a cada instante,
   e um pensamento diferente   a cada momento.
Autor: Jostly

sexta-feira, 4 de abril de 2014

VIDA


São tantas coisas nesta vida
Coisas boas, coisas ruins
Entre cicatrizes e feridas
Às vezes fazem chorar, às vezes ri.

 Há quem rir mais do que chora
Há quem chora mais do que ri
Passo a vida apreciando as auroras
Ou será elas quem passam por mim?

 Vivo de sonhos, tristezas e alegrias
Não sei quando cairei diante dela,
Nem quando ela me levantará.

 Só sei que, entre mistérios e agonias
Quando estou feliz, a acho bela
Infeliz, balanço feito às ondas no mar.
Autor: Jostly


sexta-feira, 21 de março de 2014

BOLSA DE MULHER



Se há algo que intriga tanto os homens quanto bolsa de mulher, eu desconheço. Não conseguimos entender o que tanto elas levam dentro dessas bolsas e por quê. A gente fica a se perguntar: "Meu Deus, será que não dá para elas deixarem uma única vez essa coisa em casa, é tão bom andar com as mãos livres! ” E não contentes com uma levam duas, uma de cada lado. Acho que deveria ter o dia mundial sem bolsa! Para ver se amenizaria o problema das dores nas costas! E por falar nisso, até acho que tem a ver com o problema do transporte público também, têm umas mulheres com cada tamanho de ‘cabe tudo’ que ocupa lugar para dois! Não adianta falar nem ficar irritado, nada disso faz uma mulher deixar de usar “esse buraco negro”, chamei assim porque, é impressionante como cabe tanta coisa nelas! Nem vou citar o que tem dentro de uma dessas, pelo simples fato desta página não ser suficiente. 

São tantas coisas, que achar algo nelas se torna uma missão quase impossível! É como achar uma agulha no palheiro! Expressão que se encaixa perfeitamente. É bolso que não acaba mais, tem de todos os tamanhos e formatos, pequeno, médio, grande, quadrado, triangular, retangular, redondo.... Se você tiver o desprazer de uma mulher te pedir para pegar algo dentro de uma dessas te aconselho tomar um calmante antes de enfrentar a fera predadora de objetos, porque com certeza a dona vai dizer assim: “Abra o bolso médio, pegue outra bolsa menor, dentro dela tem uma bolsinha rosa, acho que está nela se não tiver vê no bolso maior. ” Aí tem que recomeçar o processo!  São tão inseparáveis, que não se sabe ao certo se é a mulher que não sobrevive sem a bolsa ou se é a bolsa que não vive sem a mulher, chega a se comparar com aquele antigo dilema: Quem veio primeiro a galinha ou o ovo? Se elas vão à loja nem preciso falar, já sabemos o que vão comprar, mais bolsa! Acumulam tantas, que quando vão abrir a porta do guarda-roupa, desce aquela avalanche iguais às do Himalaia! 

Elas têm uma para cada dia da semana, uma para cada ocasião, tem que combinar com tudo, com a roupa, com o calçado e tem até bolsa para ir ao velório! Bolsa para visitar defunto! Isso que é preciosismo, até parece que o morto vai olhar para elas e dizer: “Bonita bolsa, gostei da cor, está perfeita para o meu enterro. ” Elas dizem: Vou com esta, essa combina com velório, tem “cor de tristeza. ” Olha só, mais uma cor foi inventada, “cor de tristeza” onde já se viu, até parece que tristeza tem cor! Alguém já viu a cor dela? Enfim, é assim mesmo que a coisa acontece. Estou em pé no trem, encosta perto de mim, uma senhora com uma dessas enormes e encaixa bem na minha costela, daí a pouco vem outra e encaixa do outro lado. 

Que legal virei sanduíche de bolsas! Olho para as duas de cara feia, uma delas dá aquele sorriso amarelo e fala: - Tá apertado hoje né? Digo: hum, hum! E penso comigo: “se você tivesse deixado essa maldita bolsa em casa não estaria tanto! ” E quando elas cismam que está faltando algo dentro do “buraco negro! ”. É sempre na hora de sair que elas se lembram desse maldito detalhe, lá vão elas tirarem tudo de dentro e conferir item por item, aí queremos morrer! Se já estávamos atrasados para sair, agora ferrou de vez, só nos resta bater a cabeça na parede e dizer: “Meu Deus, dai-me paciência com essa mulher! ” Como disse anteriormente, não adianta espernear, puxar os cabelos, porque nada vai mudar isso, temos que aprender a conviver com essa... deixa-me vê o termo correto. Ah! Achei. Agonia e pronto. 

Elas são tão aliadas, que chegou a pensar que as duas conversam! E se alguém jogar uma bolsa de mulher do décimo quarto andar e a dona presenciar o ‘assassinato’ é capaz de pular junto para salvá-la. Isso que é amor! Se elas nos amassem o quanto amam esse valioso objeto feminino, não seria maravilhoso! Só de pensar nisso a gente fica até com ciúmes! O único lugar que vejo mulheres sem usá-las é nas olimpíadas, mas não quer dizer que não estão usando, claro que estão, só não as levou para a pista de atletismo é claro. 

Já imaginou uma atleta fazer salto com vara portando uma bolsa e cair no chão toda maquiada, ia ser recorde mundial! E se houvesse competição valendo medalha para saber quem tem a bolsa mais bonita? Aí ia ter guerra de bolsas! De uma coisa eu tenho certeza, esse objeto tão dito funciona também como segurança pessoal, é igual Bombril tem mil e uma utilidades! Vê mulheres sem elas nas ruas só há duas explicações óbvias ou estão correndo maratona ou acabaram de ser assaltadas. O quê?! Discutir com uma mulher usando uma bolsa! “Aviso! As próximas cenas contêm hematomas e consequentemente até morte! ”
Autor: Jostly

sábado, 15 de março de 2014

PRODÍGIO




Quando minha mãe estava grávida de mim
No quarto mês de gestação, ela adquiriu rubéola
O parto foi de alto risco devido à doença dela
Rezou, fez promessa e fisicamente perfeita nasci.

 Minha imaculada santa Bárbara Cecília
Por minha fé que tenho em ti
Peço-lhe que intercedas por mim
Que colocarei seu nome em minha filha.

 Mãe, obrigado por sua fé, orastes por mim
Agradeço a sua dedicação a mim concedida
Jamais me esquecerei desse fato em minha vida
Quando ainda ao mundo estava por vir.

 E assim de saúde, nasci perfeita.
Exceto pelo problema de audição
Graças à santa Bárbara e a sua devoção
Do que você mais temia, perfeita nasci.

 Aos seis anos de idade, eu não falava
Apenas sons indecifráveis eu emitia
Com o dedo apontava para o que queria,
Com ajuda médica, recuperei minha fala.

 Uma psicóloga desacreditou de mim
Para a minha mãe, ela disse assim:
“No quinto ano sua filha vai parar de estudar”
A descrença dela conseguir contrariar.

 Com o ensino médio concluído
Resolvi prestar vestibular
Escolhi uma vocação para cursar
E hoje estou quase finalizando.

 Eu já usei aparelho auditivo
Agora não preciso mais usar
Ouço pouco, mas, consigo escutar
O que as pessoas falam comigo.

 Duvidaram de minha capacidade
subestimaram minha inteligência
Sou guerreira, luto com veemência
Para manter minha integridade.

 Pensavam que eu fosse fracassar na vida
dei a volta por cima, hoje sou vitoriosa
Pelas minhas conquistas sou ambiciosa
Agradeço a Deus pela minha vencida.

Autor: Jostly

domingo, 9 de março de 2014

ESCREVER

"Escrevo o que vejo, às vezes o que sinto e sempre o que imagino"
Autor: Jostly

sábado, 1 de março de 2014

HOMENAGEM ÀS MULHERES


Acordada és tão linda
Dormindo, és tão bela
Brilha como estrela
Independente do nome dela.

 Feliz és tão encantadora
Triste és tão delicada,
Sorrindo és tão sedutora
Chorando és tão meiga.

 Apaixonada és tão sensual
Amando és tão radiante
Como mãe és tão divinal
Como esposa és tão amante.

 Mulher, maravilha preciosa
Tua beleza desabrocha
Como pétalas de flores,
Teu corpo é perfumado
Como a alma duma rosa.

 Provocante como felina
Tens o olhar sedutor
Elegância feminina
Seu fetiche é tentador.

 Desejada como rubi
Teu feitiço desvaira,
Assim como as flores
Fascinam o colibri.
Autor: jostly

domingo, 23 de fevereiro de 2014

QUANDO CHEGA O MOMENTO


Quando ela chega, sem imagem e sem cor
Não há dinheiro no mundo que possa detê-la
Não há no mundo quem não possa temê-la
Quando ela vem sem face espalha a dor.

 É impiedosa e implacável, tristeza colossal
Não vê raça nem cor, juventude ou senilidade
Arrasa corações dos amores, no campo ou na cidade,
Desflora roseiras, velas choram em castiçal

 Apaga o brilho dos olhos, apaga a estrela dos astros.
Seca as lágrimas dos olhos,  da boca seca as salivas
Os sentidos já não fazem sentido, da boca seca as palavras.

 Riquezas, pobrezas e preconceitos para ela de nada valem
Fecha os olhos dos pobres, torna tudo em alabastros.
Têm muitas formas e variedades de apagar a luz da vida.
 Autor: Jostly

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

ÁGUAS ESTRANHAS


Aventurar-se por águas desconhecidas, só vai te mostrar que não há mar melhor do que aquele que você está acostumado a navegar, remar por águas estranhas nunca se sabe a profundidade.
Autor: Jostly

sábado, 1 de fevereiro de 2014

AMOR SEM LIMITES


"Quando o amor nos coloca em seu caminho,
não há distância que    possa detê-lo.
Autor: Jostly

domingo, 26 de janeiro de 2014

ALMA AFLITA


Não sei se é a música que ouço
Ou se é a saudade que sinto de ti
Talvez seja a certeza de que te perdi   
que aos poucos em lágrimas me desfaço.

 Só uma alma angustiada e saudosa
aflita e tristonha, seria capaz de compor
Tais versos de pura aflição penosa
que de tão triste, o coração quer clamor.

 Sinto-me só na companhia de tua imagem
Eternizada na mente e em meu coração
Sofro, ouvindo o vento que causa  friagem
que me arrepia, ouvindo essa melódica canção.

 Sinto os olhos escurecerem em minha face
como se eu passasse pelo vale das sombras
Morro, morro lentamente como se me esmiuçasse
Em meio a ventos fortes e gigantescas brumas.

Penso, sofro e choro, morro porque te perdi
Amo-te acima de tudo nesse mundo,
quanto mais penso em você, mais se afasta de mim.
Como se caísse num imenso abismo profundo.
Autor: Jostly

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

HOMENAGEM À SÃO PAULO


Cidade ilustre, coração do Brasil
“terras frescas mui sadias de ares frios”
“de boas águas, mui boa para catequizar”
Disseram os jesuítas ao subirem a serra do mar.

 Numa pequena colina de Piratininga
próximos aos rios resolveram se instalar
Uma missa de boas vindas quiseram proferir
junto aos majestosos rios Anhangabaú e Tamanduateí.

 Fundaram São Paulo de resplendor radiante
sem saber, aqueles célebres padres
Era 25 de Janeiro de 1554, data marcante
Coroaram o nascimento desta nobre cidade.

 Majestosa cidade que ao mundo veio encantar
mãe generosa dos filhos do Brasil
Absoluta rainha troante deste lugar
és tu São Paulo mãe soberana e gentil.

Cidade que não dorme, nem as luzes se apagam
casais apaixonados beijam-se nas praças
nas ruas, nos bailes, embalados por sua magia
assim, é esta fantástica cidade que a todos abraça.

 Inspira os sonhos e germina felicidade
cobre o Brasil com sua vistosa elegância
Transborda magia esta deleitosa cidade
Obrigado São Paulo pela sua existência.
Autor: Jostly

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

CAMINHOS DO CORAÇÃO


"De todos os caminhos que me levaram ao coração, o único em que eu não me perdi, foi o que me levou até você." 
Autor: Jostly

sábado, 11 de janeiro de 2014

MEDO

"Tenho meus medos e minhas inseguranças, mas não superam meus desejos e meus anseios."
  Autor: Jostly

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

TURISTAS


"Se dessa vida somos apenas meros turistas; que façamos nossos passaportes valerem a pena"
Autor: Jostly

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

INVEJA



Malditos indivíduos de olhos invejosos
Rancorosos olhos que me veem passar
Olhos malignos, maléficos olhos maldosos
Onustos de maus presságios para lançar.

Maldizem ó enraivecidas línguas faladoras
Assassinas de minha impecável reputação
Rogam-me pragas em forma de coro
Ó más-línguas, sombras da maldição.

Pouco importa o que faço e o que não faço
Pouco ainda, o que fiz ou o que deixei por fazer
Pouco importa o que sou ou o que não sou
Tampouco, o que tenho e o que deixei de ter.

Têm pessoas que me afligem, me fazem chorar
Outras querem o meu bem, me fazem sorri
Algumas me desejam mal, me querem infeliz
Há quem estendem as mãos para mim alegrar.

Não ligo para o que falam de mim
Não as dou ouvidos, sou assim
Ignoro o que pensam ou dizem
A meu respeito, sou quem eu sou, enfim.
Autor: jostly

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...