quarta-feira, 25 de setembro de 2013

A BELEZA


“O artifício da beleza é tão prejudicial aos homens, 
que além de  cegá-los, ainda é traiçoeiro."
Autor: jostly

sábado, 21 de setembro de 2013

PASSADO




"Quem não relembra seu passado, ainda que doloroso, não tira dele  nenhuma lição, para viver o presente e construir o futuro!"
Autor: jostly



segunda-feira, 16 de setembro de 2013

SOLIDÃO


Às vezes de tão triste eu choro tanto
Que pareço me desmanchar em pranto
Como a neve que se desfaz ao calor solar
Meus olhos  ruborizam-se de tanto lacrimejar.

Onde tu andas meu amor?
Meu coração por ti espera, cansa.
Venha logo sem tardança
Trazer para mim o seu prezar.

A solidão me congela
A minha alma de frio treme,
A melancolia muito me oprime
Contra mim, meu coração se rebela.

Em toda essa supliciada vida
Em busca de felicidade nessa espera árdua
Sinto-me como uma planta descuidada
Que aos poucos vai murchando.

Na cama, o silêncio noturno me tiraniza
Pela fresta da janela, um vendo gélido a silvar
Sua canção fantasmagórica de lúgubres medonha
Essa canção tristonha, que faz a noite adormecer.
Autor: jostly

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

A MÍSTICA SEXTA-FEIRA



  Há um dia na semana que as pessoas da classe trabalhadora anseiam por vir, esse dia é a sexta-feira, não que elas não gostem dos outros dias da semana. Por exemplo, uma segunda-feira maravilhosa para um trabalhador é certeza de que é data de pegar o suado salário ou para quem está desempregado há muito tempo e terá seu primeiro dia de trabalho, não vejo outro motivo para uma segunda-feira ser tão animadora! Isso se tratando de trabalho, lógico. Agora a sexta-feira é tudo de bom! É o dia da libertação da aba dos irritantes chefes que ficam cinco dias da semana em nosso encalço como pedra no sapato! Sai coisa ruim! Só sei que esse dia é lembrado com tanto entusiasmo, que só perde para um fato histórico que ocorreu no século XIX, quando no dia 13 de maio de 1888 a princesa Isabel assinou a lei Áurea que proclamou a abolição da escravatura no Brasil. Mas, já é passado vamos ao presente. 

 As pessoas ficam mais tolerantes diante do visível problema da superlotação no transporte público, se uma pisa no pé do outro ao pedir desculpas o que teve o pé pisado fala: "hoje é Sexta-feira, relaxa” com aquele sorrisão que vai de um canto a outro, vai você pisar no pé de alguém em um dia que não seja sexta-feira que você vai ouvi um sonoro esbravejo: ”Ai meu pé, seu filho da puta, viado! ”. As mulheres não reclamam que estão sendo encoxadas pelos aproveitadores da situação. Agora chegue perto de uma mulher de segunda a quinta dentro de um transporte público para você vê, se não ficar com uma costela quebrada de tanto levar cotoveladas é muita sorte. E assim na sexta tudo fica “Blue”. Fato que merece destaque mesmo é a displicência das pessoas com seus aparelhos de celulares. 

Quem nunca presenciou aquele ou aquela camarada que já está no ritmo da balada, sacar o celular do bolso, colocar aquela música alta “envolvente” porque envolve todo mundo que estar ao redor dele ou dela, o termo correto diria irritante, insuportável... Só quem não utiliza o transporte público é claro! A conversação é outro ponto importante. Tirando a música do camarada aí do lado e o aperto esmagador, não diria que está tudo bem, porque dizer isso dentro de um transporte público ou você é muito hipócrita ou é candidato à reeleição, senão há de concordar comigo. Com todos esses males aí acima, você deve estar pensando: ”Não pode ficar pior”. Enganou-se quem achou que a coisa não podia piorar, a coisa ainda piora sim meu caro. Há um ditado que diz: “Nada é tão ruim que não possa piorar” comprovei isso recentemente.

 De repente, o celular de alguém começa a tocar e a pessoa que atente dá o ar da graça, fala tão alto, que deixa a impressão que um dos dois é surdo! “Alô, é tu Zé? Fala cabra safado e aí como ta tu homi de Deus? ” Todo mundo volta o olhar para ele, exceto o maquinista que a meu ver foi o único no trem que não o ouviu. E ele desembesta a falar com aquele sotaque típico nordestino, nada contra meus conterrâneos, mas convenhamos soa engraçado fala a verdade: “oxente, tu não vai lá pra casa amanhã não, pra gente ‘cumé água’? "Comé água" para quem não sabe é o mesmo que "encher a cara" ou "entornar o caneco" por aí vai..."Vô passar agora no açougue para comprar o gato, tu que não vá viu para ver ”

Outro celular toca, o portador atende no mesmo tom de voz, desta vez, é um desses jovens que falam gíria paulistana: “E aí maluco, beleza”? Brown deixa te dá uma ideia, pô meu, cola lá pra nois ir naquela balada tio. Suave então, hoje eu vou causar, mano tem umas novinhas da hora, hoje vou chapar! O rolé na night vai ser milgrau! E mais um... E outro.... As vozes se misturam e a gente já não consegue decifrar mais nada e não vê a hora de chegar logo o momento de descer para acabar com esse tormento. Ô vida difícil é a vida da gente! Solta o grito de guerra que ficou entalado na garganta. Até que enfim hoje é sexta-feira!   

Autor: Jostly             



terça-feira, 10 de setembro de 2013

HUMANOS





"Os humanos possuem corações com dimensões e pesos praticamente iguais, mas não possuem o mesmo conteúdo de bondade para com seu próximo."
Autor: Jostly

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

SONHO




" Sonhe infinitamente porque uma vida sem sonhos 
é igual a uma  árvore   frutífera sem frutos"
Autor: jostly

sábado, 7 de setembro de 2013

OBSESSÃO FEMININA



Vai sair hoje com alguma mulher? Se a resposta for sim, liga para ela com no mínimo umas três horas de antecedência para ver se dar tempo dela se arrumar para quando você passar para pegá-la, ela já esteja pronta, vai por mim. Sou seu amigo e estou querendo te privar de aborrecimentos! 
Só desconhece essa regra os caras que estão saindo a primeira vez com uma mulher. Coitados, dá até dó deles. Lá vai ele com o peito estufado e o sorrisão estampando no rosto, feliz como um passarinho de primeiro voo! Mal sabe o que o aguarda. Chega à casa dela toca a campainha, adivinha quem vem atendê-lo com a cara amarrada? O sogrão, claro! Quem você pensou que fosse, a fada madrinha? Ele o cumprimenta com desdém, louco para dar uma chave de braço e finalizá-lo! Convida o ‘genro’ para entrar, porém, com certeza está se contendo para não dar um pé na bunda do rapaz. 

O silêncio toma conta do recinto é possível para ouvi o ruído do estômago de tão silencioso! E nada da namorada chegar! Ele que vinha todo feliz e sorridente, agora já começa a xingá-la em pensamento: “Que demora dessa filha da pu...!” Passa meia hora e nada, e o pai dela ali lançando aqueles olhares ameaçadores que dão até medo! O rapaz pensa em fazer o sinal da cruz: “Te arreda satanás, Deus é maior!” Tenta adivinhar o que está se passando com ela lá dentro do quarto: “Deve tá trancada com a mãe, aposto que já penteou o cabelo umas dez vezes, só pode”! Digamos que ele quase acertou, mas a coisa vai muito, além disto, meu amigo. Estão emocionalmente preparados para ver o que se passa lá dentro? Então, vamos ver? Santa mãe de Deus!

 Olhe para lá, eu não acredito no que vejo, ela ainda está enrolada na toalha! Não é que ele acertou! As duas estão no quarto mesmo. Agora não sei quem está mais enrolado, se ela com as dúvidas cruéis para ficar pronta ou se é o camaradinha tenso lá na sala sentado no sofá sofrendo com a presença do sogrão. Começa a seção de dúvidas:
 Filha: - Mãe me ajuda, a senhora fica aí só olhando não fala nada, qual roupa eu devo ir? A mãe respira fundo e tenta socorre-la naquele momento de aflição: 
Mãe - Filha vai com esse vestido aqui, o que você acha? Hum? 
Filha: - Ficou maluca! Ir com esse vestido que parece da minha vó? 
Mãe: - Mas, filha ele fica tão bonito em você.
Filha: - Fala assim, porque não é a senhora que vai usá-lo se fosse eu queria ver ir com ele.
Mãe: - E com essa calça? Essa é linda, hã?
 Filha: - Essa calça que me deixa gorda feito uma baleia, a senhora diz ser linda, me poupe, né mãe!
Mãe:  - Tá bom, filha e essa outra aqui, tá na moda!
 Filha: - A senhora tá me achando com cara de vadia, pra sair com uma calça dessas colada no corpo mostrando praticamente quase tudo!
Quando já tinha revirado o guarda-roupa quase todo, achou uma peça que simpatizou ligeiramente: 
Filha:  - Aqui, achei, acho que vou com esta. Vestiu a roupa e perguntou: - O que a senhora acha mãe?
A mãe respira aliviada e pensa:” graças a Deus, haja paciência com essa menina, coitado do rapaz que tá lá esperando! ”.
Mãe: -Tá ótimo filha, ficou muito linda em você, tá até parecendo a Gisele Bündchen. Brincou a mãe tentando descontrair o momento de tensão. Vai falar que não tá legal pra ver.  Alguém se habilita? Acho que não. Com muito sacrifício achou a roupa que lhe parecia conveniente para a ocasião, vamos falar baixo, acho melhor a gente não comentar mais sobre esse assunto vai que ela muda de ideia!
 A mãe achou que tinha se livrado da falta de poder de decisão da filha. Já estava até saindo do quarto de fininho! E a filha torna a incomodá-la: 
Filha: - Aonde a senha pensa que vai? Vem aqui me ajudar escolher o sapato! Qual a senhora acha que combina mais, o cinza, preto, dourado, marrom, bege...? Meu Deus, quanto sapato! E o coitado do rapaz como será que ele está? Vamos vê-lo, depois a gente volta para ver essa indecisa! Está lá o coitado, com raiva, tenso, suando frio e com seus grunhidos na barriga. Pensa em arriscar um ciclo de amizade com o sogrão, mas, o velho está com cara de poucos amigos, achou melhor deixar quieto, depois voltou atrás motivado pela raiva da demora em esperá-la e foi em frente, falou com voz tremula e amedrontada: 

Genro: - Como é seu nome mesmo? Senhor ou você, como prefere ser chamado? O velho o encarou com aquele olhar desafiador e disse com voz grossa que mais parecia um trovão:
Sogro: - Meu nome é Evilarzio, e pode me chamar de senhor, senhor para você. O rapaz escutou e apenas disse: 
Genro: - Tá bom Sr. Evilarzio, nome bonito esse seu hein, gostei! Por acaso, é por causa do Lázaro da Bíblia? Cara, melhor tu ficar quieto, isso não vai acabar bem, você falando assim todo sem jeito. Ele apenas respondeu: 
Sogro: - Não!
Ele não contente, queria fazer amizade a qualquer custo, o jeito foi apelar para o famoso puxa saco, continuou:
Genro:  - Tá chovendo forte, né? Sabe Sr. Evilarzio, quando eu tiver um filho vou colocar o nome dele de Evilson, para pegar as iniciais do nome do senhor. Ao que o sogro respondeu:
Sogro:  - Tire seu cavalinho da chuva rapaz, que você não vai ter filho com minha filha coisa nenhuma!
Isso bastou para que ele não dissesse mais nenhuma palavra. Voltando ao quarto. Não é que ela está quase pronta, exceto pelo detalhe da maquiagem e a escolha do brinco:
 Filha: - Mãe, a senhora acha melhor ir com esse brinco ou esse? Falou mostrando um par em cada mão. 
Mãe: - Vai com este. Disse a mãe apontando para a mão esquerda da filha. 
Filha: - E se ele não gostar? Acho melhor eu ir com o outro, não com esse mesmo, não com o outro....
Decida-se ô mulher indecisa! Enfim escolheu e o colocou. Foi apanhar o kit de maquiagem que estava em frente ao espelho e falou:
 Filha: - Mãe, qual cor de sombra a senhora acha que fica melhor? Marrom, dourada, preta, azul, lilás...
De novo não! Coitada dessa mãe. 
Realmente as mães têm uma paciência de invejar! Nova pergunta:
 Filha: - Mãe, e o blush?
 Mais uma:
Filha: - Mãe, qual o batom combina mais, gloss, cor-de-rosa, vermelho....

Espero que seja a última porque senão quem vai surtar sou eu! Enfim, a margarida ficou pronta, demorou tanto tempo trancada no quarto que nem percebeu que lá fora estava chovendo, para sua surpresa. Ao ver o pé-d’água que caia, voltou correndo para o quarto trancou-se derretendo em pranto! O pai dela não entendeu nada, o namorado ficou perplexo, dentre os presentes ali naquela sala, só a mãe entendia o sofrimento da filha, afinal, ela também é mulher. Alguém sabe o que a fez entrar em desespero? Gente, claro que foi a chapinha! Chapinha e água não combinam definitivamente.  

Autor: Jostly



terça-feira, 3 de setembro de 2013

INFELICIDADE


Ó Vida amargurada e doentia
Livra-me da escuridão lutuosa
Deixe de ser cruel e impiedosa,
Traga-me sem hesitar a plena alegria.

Deem-me suas coisas formosas
Pois, muito sofro nesse meu dia a dia
Tenha piedade, tire-me dessa agonia,
Traga-me eterna felicidade primorosa.

A dor me sufoca, machuca e me estrige
Acho a vida estúpida e ridícula
Pois, nada tenho para achá-la bonita.

Dor imbecil, porque tanto me aflige?
Por que não me deixa viver em paz?
Vá para o inferno e não volte nunca mais!
 Autor: jostly

domingo, 1 de setembro de 2013

RECORDAÇÕES NOTURNAS


O negro céu da noite nebulosa
Está sem a cor prateada do lunar
Meu pensamento, seu alvo vai buscar
Na fria noite tenebrosa.

Bate em meu peito, tanta saudade
Que em noites frias, me faz chamar teu nome
Chamo-te, chamo e você não responde
Só ouço a incessante agitação da cidade.

Fico a pensar descontente
Aonde anda minha amada?
Nas inúteis procuras, não encontro nada
Só tenho tua imagem refletida em mente.

Nas tristes ruas, vago em pranto
Desatinado, ando solitário
Meus momentos ledos são precários
O luto para aliviá-lo canto.

Canto, mas não por prazer de cantar
E sim, porque a tristeza me obriga
As mais românticas cantigas,
A fim de minha amarga dor aliviar.

O orvalho noturno que cai sobre mim
Molha meu corpo, e deixa-o com frio
À noite, de mim parece zombar e ri
Porque me causa fortes arrepios.

Prossigo a vaguear desatinado
Só o silêncio da tristeza me abrange,
Meus olhos de tanto chorar, não mais reagem
Em meu percurso, em você vou pensando.
                                                     
                              Autor: jostly                                                      

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...